Palácio Nacional e Mosteiro de Mafra

Fotos 2, 3, 4, e 5 de Cidália Teixeira, em 13 de março de 2011

Mandado edificar por D. João V em 1711, é o mais sumptuoso convento e monumento barroco português e as peripécias da sua construção inspiraram um dos primeiros sucessos do Nobel das Literartura, José Saramago (Memoril do Convento). É o paradigma do reinado mais rico da história de Portugal, graças ao ouro vindo do Brasil. Reconhece-se alguma inspiração do castelhano convento do Escurial, numa articulação harmoniosa de três componentes distintas: palácio real, convento e igreja. O projecto original é de João Frederico Ludovice, também autor da basílica da Estrela, em Lisboa.

O convento foi ocupado pelos Franciscanos que desenvolveram a farmácia e a enfermaria, enquanto os outros ocupantes deste convento, os Dominicanos desenvolveram a biblioteca. Parte das instalações está ocupada pela Escola Prática de Infantaria, sendo possível visitar, a pedido, esta unidade militar e apreciar os monumentais corredores com centenas de metros dedicados às batalhas de Portugal e onde cabe um camião. Integram este conjunto monumental, o Palácio, o Museu, a Biblioteca conventual e a Tapada.
Aquilo a que vulgarmente se chama «Convento de Mafra» engloba o Palácio, o Mosteiro, a Biblioteca e a Basílica.
O monumento surge devido a uma promessa de Dom João V para que a rainha, Dona Maria de Áustria, lhe desse um filho varão. A rainha acabou por conceber um herdeiro, e o soberano, em cumprimento do voto, mandou construir um convento dedicado a Santo António.
A construção do mais imponente monumento barroco português iniciou-se em 1717, sob a orientação do arquitecto alemão Frederico Ludovici. Em 1730, o edifício estava concluído. São cerca de 200 metros de fachada, com a Basílica ao meio e o Palácio e o Mosteiro situados lateralmente.
Os mármores vieram das pedreiras de Pêro Pinheiro e Sintra e as madeiras do Brasil. De França, da Bélgica, de Itália e da Holanda chegaram os sinos, as estátuas, os carrilhões, as baixelas e a iluminária. O resultado é um enorme edifício com 880 salas, 300 celas, 4500 portas e janelas, 154 escadarias e 29 pátios.

O Palácio Real foi residência de veraneio, além de alojar a Corte por ocasião das caçadas reais. Um enorme corredor atravessa o palácio, dando acesso a todas as suas salas e aposentos. Os frescos são deslumbrantes, nomeadamente na Sala do Trono, onde dão ideia de relevo, parecendo estátuas.
Na Sala da Caça, pode ver-se uma impressionante quantidade de troféus, todos de animais caçados na Tapada. Até o mobiliário foi feito aproveitando as hastes de veados. Muito curiosa é também a Sala da Bênção, toda em mármore, a partir da qual, com a simples abertura de uma janela, os soberanos assistiam à missa na Basílica.

O Mosteiro reflecte bem o estilo de vida dos monges franciscanos, muito humilde, apenas com o essencial. A visita inclui a cozinha, a botica, o hospital (dentro de uma capela, é uma série de celas com abertura para um corredor central, onde se colocavam as camas dos doentes durante os ofícios religiosos) e as celas dos monges, onde os artefactos de autopunição, para expiação do pecado, eram uma constante.

A Biblioteca, mantida pelos religiosos, tem cerca de 36 mil volumes raros, que podem ser consultados, fora desta visita.

Depois de sair do Palácio, suba a escadaria central do Convento e visite a Basílica. Uma série de esculturas convida para o interior, todo em mármore, com 11 capelas, 45 tribunas, seis órgãos, 40 estátuas de figuras religiosas, quatro carrilhões (dois manuais, com teclados de quatro oitavas, e dois mecânicos) e 110 sinos, 93 dos quais ligados aos carrilhões. Os enormes sinos das torres Norte e Sul foram fundidos em Antuérpia, na Bélgica.
Ver mais em:
http://viajar.clix.pt/tesouros.php?id=82&lg=pt
http://www.lifecooler.com/edicoes/lifecooler/desenvReg
http://www.google.pt/images

Sem comentários: