O que são coleções?

Em termos gerais uma coleção é um grupo de itens ou objetos que tenham uma ou mais características em comum. Coleções comuns empreendidas por indivíduos que praticam tal hobby envolvem selos, canetas de ouro, carros, papéis de carta etc. Independente do valor e da dimensão do objeto colecionado, o objetivo é o mesmo: distrair a mente com algo que é somente seu, cuidar dele e poder orgulhar-se ao mostrar para os amigos.
Alguns exemplos de coleções: autógrafos, bonecas, calendários, camisas de de futebol, cartões, postais, cartões telefónicos, moedas, filmes, livros, obras de arte, pacotes de açúcar, sapatos, sapos, rótulos de cerveja ou vinho e outros, tampinhas etc.
Quem é Colecionador?
Colecionador é um indivíduo ou uma instituição que faz coleção dos mais variados objetos, tais como selos e moedas. A biblioteca é uma colecionadora de livros, um museu coleciona diversas objetos, por exemplo. Não se sabe o período certo de quando o ser humano começou a colecionar objetos. A teoria mais aceitável é que tenha começado com objetos que os homens pré-históricos poderiam utilizar mais tarde. Um dos mais famosos colecionadores em todo mundo é o museu, que pode ser desde uma sala até uma enorme construção. O mais famoso deles é o Museu do Louvre e um dos mais famosos objetos de sua coleção é Mona Lisa pintada por Leonardo da Vinci.
O que é Colecionar?
Colecionar é o trabalho que se tem para reunir um conjunto de objetos da mesma natureza ou que tem qualquer relação entre si. Ou seja, significa a coletânea de certa quantidade de objetos parecidos.
Tal trabalho dura muito tempo na existência do colecionador, muitas vezes anos, outras por toda a vida. Torna-se um hábito, um costume, uma característica ou uma particularidade numa pessoa.
Como Colecionar?
A regra número 1 de um colecionador de respeito, é não usar o objeto para seu fim primário. As latas de uma coleção de cervejas, por exemplo, devem estar cheias - embora não haja motivo lógico para isso.
O colecionador, no entanto, não vê seus objetos como objetos mortos. Pelo contrário: quando por exemplo um selo vai para um álbum, passa a ser visto com olhos mais atenciosos e brilhantes.
Um defeito no corte ou na impressão, que passaria despercebido por pessoas comuns e carteiros, passa a ser valorizado.
Em coleções de objetos produzidos em grandes quantidades as  imperfeições dão à peça uma individualidade e um preço diferenciado. Com sorte, ao objeto defeituoso um colecionador pode dizer: "único do mundo".
Colecionar para descobrir
É bem provável que o homem pré-histórico já tivesse, num cantinho da caverna, uma coleção de crânios como talismãs.
Sabe-se hoje que já existiam colecionadores na Roma antiga e até no Egito - o faraó Tutancâmon tinha o seu acervo de cerâmicas finas. Mas o colecionismo só saiu das mãos dos reis quando a visão medieval do mundo se enfraqueceu, no século XVI. Depois de perceber que poderia perseguir a eternidade neste mundo, e não no céu, o homem passou a prestar mais atenção em si mesmo - uma onda de auto-retratos invadiu a Europa - e nas coisas da natureza.
Para analisar e conhecer a natureza, era preciso guardar e comparar tudo que havia de estranho pelo mundo.
As coleções foram fundamentais para a organização da natureza como fazemos hoje.

Sem comentários: