Descoberta nova mesquita e uma lápide com inscrições em árabe do séc. XII no Algarve

Um grupo de estudantes de arqueologia, chefiados pelos arqueólogos e professores da Universidade Nova de Lisboa Rosa e Mário Varela Gomes, encontraram no Ribat da Arrifana, em Aljezur, uma nova mesquita, 21 sepulturas e uma lápide funerária com inscrições em árabe. As descobertas vêm dar uma nova luz sobre o passado daquele lugar.
 
Esta foi a última descoberta da dupla de arqueólogos, que em 2001 começou os trabalhos naquele espaço, depois de terem identificado, na Península da Ponta da Atalaia, a cerca de cinco quilómetros a poente de Aljezur, o convento-fortaleza islâmico, que tem por nome ribat, fundado pelo mestre Ibn Qasî, na Arrifana em cerca de 1130.

Desde então, os arqueólogos já desenvolveram nove campanhas de escavações, que trouxeram à luz as ruínas de oito mesquitas e de diversas instalações com elas relacionadas, como um minarete, um muro de orações, uma necrópole e vários objectos em cerâmica, panelas, armas metálicas e uma lápide funerária in situ (no local), com inscrições árabes.

A estas descobertas, juntam-se as que foram hoje anunciadas, onde Rosa Varela Gomes destaca a segunda lápide funerária. “Esta descoberta é muito importante, uma vez que as inscrições na lápide, que acompanha a sepultura, informam-nos quem morreu, quando e onde”, disse ao PÚBLICO a arqueóloga, explicando que a leitura das inscrições árabes da lápide será feita pela especialista espanhola Carmen Barceló, que determinará assim a quem pertenceu. Este resultado ajudará a determinar a população que ali viveu, assim como os seus hábitos. “Em Portugal não se encontram muitas lápides com inscrições, isso é raro, e vai-nos ajudar a conhecer a comunidade que ali foi sepultada.”

Há vários anos a trabalhar no local, a arqueóloga explica que apesar do vasto complexo arqueológico, desconhecia-se a existência de mais uma mesquita. “Nós já tínhamos identificado a necrópole em anos anteriores e este ano prosseguíamos a investigação quando fomos encontrando mais vestígios. Ao longo das escavações as sepulturas foram aparecendo.”

Até à data, o Ribat da Arrifana é o único conhecido em Portugal e o segundo da Península Ibérica. Em Alicante existe um ribat mas de menores dimensões.

“Esta é uma estrutura fundada em 1130 e que foi abandonada em 1150. É um espaço que em termos cronológico se sabe muito”, diz Rosa Varela Gomes, lembrando a necessidade de se saber mais em termos históricos também.

A campanha de escavações arqueológicas no ribat do século XII está a decorrer desde o fim do mês de Julho e contou com o financiamento do Programa Polis Litoral Sudoeste e do da Câmara Municipal de Aljezur, da Associação de Defesa do Património Histórico e Arqueológico de Aljezur, e da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Neste momento, o Ribat da Arrifana está em vias de classificação como monumento nacional. Deve ficar acessível ao público até 2013. “Vai ser recuperado e musealizado pela sua importância histórica e científica”, refere a mesma responsável.

Notícia retirada do publico on.line: publico.pt

Sem comentários: